Bancário dispensado próximo à estabilidade pré-aposentadoria: o que é preciso saber

A Convenção Coletiva de Trabalho, garantida pela categoria para o período 2020/2022 (cláusula 27, ‘e’, ‘f’ e ‘g’ da CCT), manteve a estabilidade provisória pré-aposentadoria. Trata-se de um benefício que traz tranquilidade para aquele momento em que já se planeja uma vida longe da rotina profissional. Outras categorias, que não têm esse direito, sabem o quanto uma demissão nos últimos anos de carreira atrapalha os planos para o futuro.

No entanto, é fundamental ao bancário ficar atento aos prazos para a entrega da carta ao RH do banco informando a iminência do período de estabilidade pré-aposentadoria. Além da carta, o bancário deve anexar também o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) – que deve ser retirado no site do INSS – e os formulários disponíveis na intranet do respectivo banco.

 Mas se você bancário foi dispensado muito próximo de adquirir a estabilidade pré-aposentadoria, o que você deve fazer?

Há duas opções:

1ª opção: Notificar o banco, extrajudicialmente, através de um advogado especialista e de sua confiança,a fim de que reconheça a nulidade da dispensa, determinando-se no acordo a reintegração do bancário com o pagamento dos salários relativos ao período de afastamento até a efetiva reintegração, FGTS e todas as vantagens e benefícios conferidos à categoria.

2ª opção: Não sendo possível a celebração do acordo extrajudicial,o bancáriodeverá ingressar, através de um advogado especialista e de sua confiança, com uma reclamação trabalhista objetivando a declaração de nulidade da dispensa (dispensa obstativa), uma vez que a dispensa próxima à aquisição do direito à estabilidade pré-aposentadoria ofende a função social do contrato de trabalho e a dignidade da pessoa humana, com o pagamento dos salários relativos ao período de afastamento até a efetiva reintegração, FGTS e todas as vantagens e benefícios conferidos à categoria, inclusive.

Para melhor compreensão do tema, é necessário explicar, de forma breve, sobre a estabilidade pré-aposentadoria do bancário.

A cláusula 27, ‘e’, ‘f’ e ‘g’ da CCT 2020/2022 celebrada entre a FENABAN e os sindicatos traz as hipóteses de aquisição da estabilidade pré-aposentadoria, a saber:

[…]

e) pré-aposentadoria: por 12 (doze) meses imediatamente anteriores à aquisição ao direito ao benefício de aposentadoria da Previdência Social, respeitados os critérios estabelecidos pela legislação vigente, aos empregados que tiverem o mínimo de 5 (cinco) anos de vínculo empregatício com o banco, extinguindo-se automaticamente a presente garantia quando o empregado passar a fazer jus à aposentadoria;

f) pré-aposentadoria: por 24 (vinte e quatro) meses imediatamente anteriores à aquisição ao direito ao benefício de aposentadoria da Previdência Social, respeitados os critérios estabelecidos pela legislação vigente, aos empregados que tiverem o mínimo de 28 (vinte e oito) anos de vínculo empregatício ininterrupto com o mesmo banco, extinguindo-se automaticamente a presente garantia quando o empregado passar a fazer jus à aposentadoria;

g) pré-aposentadoria: para a mulher, será mantido o direito à estabilidade pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses imediatamente anteriores à aquisição ao direito ao benefício de aposentadoria da Previdência Social, respeitados os critérios estabelecidos pela legislação vigente, às empregadas que tiverem o mínimo de 23 (vinte e três) anos de vinculação empregatícia ininterrupta com o mesmo banco, extinguindo-se automaticamente a presente garantia quando a empregada passar a fazer jus à aposentadoria;  

Com efeito, a Justiça Trabalhista (TST) tem o entendimento de que se presume obstativa a estabilidade provisória prevista em norma coletiva a dispensa do empregado efetivada até 12 (doze) meses antes da aquisição do direito.

Conclui-se, portanto, que o desligamento, depois de muitos anos de serviços prestados ao banco e sem nenhuma motivação plausível, frustra o implemento da condição para o exercício do direito, sendo considerada nula a dispensa, ou seja, a dispensa com a finalidade de obstar a aquisição da estabilidade, viola flagrantemente a função social do contrato e a dignidade da pessoa humana.

Este material foi elaborado para fins de informação e debate e não deve ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

Gostou? Acha que pode ser útil para alguém? Compartilhe por aí

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Imprimir

Sobre o autor

Solicite uma consulta

Deseja um atendimento jurídico personalizado? Entre em contato conosco e nós lhe orientaremos sobre os serviços que prestamos.